Palancas Negras desfilam com a samakaka no Egipto

A samakaka, tecido tradicional do Sul de Angola, é o detalhe de realce dos equipamentos que a Selecção Nacional de Honras de futebol vai usar na 33ª edição da Taça de África das Nações (CAN), a ter lugar de 21 de Junho a 19 de Julho no Egipto.

A inovação resultou do casamento do traço criativo do jovem angolano Jesualdo Muvuma, 23 anos, com a fina costura da Lacatoni, empresa portuguesa de equipamentos desportivos, que acolheu a proposta apresentada pela direcção do elenco federativo dirigido por Artur Almeida e Silva.

Segundo o dirigente, foi a única que se mostrou disponível para incorporar esse traço da cultura do país nos equipamentos. “Tentámos junto de outras marcas, como por exemplo a Puma, que não mostraram receptividade”, explicou.
Mais de uma década depois do acordo celebrado em 2005 com a Puma, que passou, em Janeiro do ano seguinte, a equipar a equipa nacional, a partir do CAN coincidentemente disputado no Egipto, até à edição da festa do futebol continental organizada por Angola, em 2010, os Palancas Negras conhecem uma nova marca.

Em três mudas, a Lacatoni traz como novidade os traços da samakaka, um símbolo do Sul do país, com destaque para a província da Huíla, nas mangas e na parte frontal da camisola, que no equipamento principal é vermelha, calções pretos e meias vermelhas, enquanto no primeiro alternativo é branca, calções vermelhos e meias brancas, no segundo amarela, calções amarelos e meias amarelas.

Feliz por ter convencido a Federação, com a sua criatividade, Jesualdo Mavuma partilhou domingo, na cerimónia de apresentação dos modelos, os passos que culminaram na inovação: “A cultura angolana é rica.

Então não foi difícil escolher a samakaka. Exactamente por causa da intenção. Dos ânimos do que queríamos que o equipamento transmitisse. A inspiração veio mais ou menos deste aspecto”. Satisfeito, Artur Almeida e Silva alargou os horizontes, para lançar uma perspectiva a longo prazo. “Pensamos que será uma parceria de futuro. A presença do Muvuma, trazendo a samakaka, vem fechar o conceito daquilo que achamos que são os Palancas Negras. Acredito que a nossa representatividade, quer ao nível do CAN quer do Mundial, será uma plataforma de lançamento deste jovem designer e da nossa marca Palancas Negras, sobretudo com a samakaka bastante incorporada naquilo que são os desenhos que apresentamos nos nossos equipamentos”.

Estreia no ciclismo

A introdução dos detalhes da samakaka no desporto angolano aconteceu há dois anos, no ciclismo, por iniciativa de Carlos Faria e Bruno Casimiro, mentores do projecto LinkConnection, que deu lugar à criação da equipa Orped Angola.

Além do fato, o mais apreciado na modalidade no país, personalizaram luvas, cantis, sapatos e uma bicicleta nas versões de estrada e BTT (todo-o-terreno). Um dos exemplares é utilizado pelo Presidente da República, João Lourenço, e outro por Eugénio Laborinho, governador de Cabinda.

Em entrevista ao Jornal de Angola, Bruno Casimiro, antigo campeão nacional de ciclismo, felicitou Jesualdo Muvuma, pela ousadia, e a Federação, por acolher o projecto. “Sempre dissemos que o desporto e a cultura andam de mãos dadas. Ninguém ficará indiferente, no Egipto, quando os nossos Palancas Negras entrarem em campo. Temos notado, em Angola e no exterior, a satisfação das pessoas por usarmos os nossos equipamentos. Temos outras marcas da nossa terra, caso do zimbo, que podem ser incorporadas.”

Deixe uma resposta